05 abril 2009

Os talentos do sr. Lopes

Nunca conheci talentos como os tinha
o sr. Lopes. Pérfido
sonso
mesquinho o filho-da-puta mexia-se
tal um verme
na matilha
(insinuando-se frouxo em seu
bojo indistinto)
urdindo-as pela calada naquela
orla de pulhas. Ah,
fero monte de esterco em cima
do qual sorris
já merecias ser estátua

pedias um poema.


João Luís Barreto Guimarães


in LUZ ÚLTIMA, Edições Cotovia, Lda., Lisboa, 2006

2 comentários:

Aldemar Norek disse...

Como ninguém comentou um poema destes? Me lembrou, embora com outra e diversa aboradagem, aquele poema do grande e do pequeno filho da puta.

DM disse...

Aldemar Norek,

Agradeço-lhe a visita e a sua atenção.

DM