31 março 2009

MANUEL ANTÓNIO PINA "A POESIA VAI"

A poesia vai acabar, os poetas
vão ser colocados em lugares mais úteis.
Por exemplo observadores dos pássaros
enquanto os pássaros não
acabarem.  Esta certeza  tive-a hoje ao
entrar numa  repartição pública,
um senhor míope atendia devagar
ao balcão, eu perguntei:  «Que fez  algum
poeta por este senhor?»  E a pergunta
afligiu-me tanto por dentro e por
fora da cabeça que tive que voltar a ler
toda a poesia desde o princípio do mundo.
Uma pergunta numa cabeça  como uma co-
roa de espinhos:  estão todos
a ver onde o autor quer chegar?


Manuel António Pina


de  AINDA NÃO É O FIM NEM O PRINCÍPIO  DO MUNDO CALMA É APENAS UM POUCO TARDE, 2.ª edição, a erva daninha, Novembro de 1982

2 comentários:

Aldemar Norek disse...

Que os doutos doutores me perdoem, mas me interessa este paralelo entre poesia e vida, sempre.
Abraços,
aldemar

p.s. adorei o blog. entrei no barco.

Domingos da Mota disse...

Caro Aldemar Norek,

O agradecimento pelos comentários que deixou aos poemas neste blogue, creio que os autores dos poemas me não levarão a mal se for eu a fazê-lo.
A mim cabe-me particularmente agradecer a sua visita, o ter gostado do blogue, e seja sempre bem-vindo.