25 junho 2009

o tamanho e o peso das frases

Chego à janela com palavras românticas
O mar é um azulejo, fecho-a.
As lágrimas, que porra, as lágrimas
Já não sinto os pés.
Bailado de quem tem a cabeça aureolada.


Fala e não ouço senão louça, televisores.
Ruídos que me chegam pela janela
Como se fossem diálogos
Mas que não passam de desprezo
De desprezo, de abreviaturas.


As mãos, para que servem as mãos nesse linguajar
As mãos são preconceitos, abismos, promessas.


Carlos Luís Bessa


de Termómetro-Diário
in POETAS SEM QUALIDADES 1994-2002, Averno, Novembro de 2002

Sem comentários: