26 julho 2009

6. OS LÁBIOS DO TEMPO

Regresso às coisas simples
como se aprendesse o alfabeto
e tu me ensinasses a soletrar
a árvore onde damos sombra
o fruto que alimentamos com os lábios.
Ao meio-dia
o entardecer cavalga sobre nós
e à mesma hora
a noite chega com um traço
que afaga as cores da sombra.
É assim que alimentamos o tempo
e os animais sentam-se à espera das sobras
para escreverem a nossa história.




Rosa Alice Branco


in "O ÚNICO TRAÇO DO PINCEL", Editora LIMIAR, Abril 1997

Sem comentários: